BRF anuncia investimentos de R$ 55 bi e quer ter fazendas solares até 2025

brf-empresa-unidade (Foto: Lucas Tavares/Agência O Globo)

 

Em evento voltado para acionistas, a BRF anunciou nesta terça-feira (8/12) um plano de investimentos de R$ 55 bilhões nos próximos dez anos, período no qual pretende alcançar faturamento de R$ 100 bilhões. A estratégia de crescimento da empresa, que passa por aumentar de 50% para 70% a participação de produtos processados nas vendas totais da companhia, foi definida por seu diretor-presidente como “início de uma nova jornada” e incluiu, entre suas metas, uma ênfase na área de sustentabilidade.

Para os próximos cinco anos, a empresa pretende gerar 50% da energia que consome, monitorar 100% de seus fornecedores de grãos dos biomas Cerrado e Amazônia, além de ter 100% de seu plantel suíno em baias de gestação coletiva até 2026. “Hoje, 93% da energia que consumimos é renovável e 22% de fontes que chamamos de autoproduzida, como solar e eólica. E a nossa grande ambição é chegar a 50% via autogeração de energias limpas”, afirmou Neil Peixoto, vice-presidente de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento e Sustentabilidade da companhia.

Via financiamento privado, a BRF afirmou que estimulará seus integrados a investirem em energia solar. “Vamos começar com um piloto com os integrados, com cerca de R$ 200 milhões de reais disponíveis para os integrados, e também com o nosso compromisso de fazer algumas fazendas solares. E é nesse objetivo que estamos engajados”, declarou Lorival Luz, diretor-presidente da companhia, durante sua apresentação. Internamente, a companhia incluiu suas metas de sustentabilidade em seu programa de remuneração variável. “Ou seja, teremos metas específicas que serão desdobradas à companhia para assegurar a execução desse nosso plano”, detalha Luz.

 

O plano, que inclui redução de 13% no consumo de água e a adoção de embalagens reutilizáveis, recicláveis ou biodegradáveis, será conduzido por uma mulher. A companhia anunciou a criação do cargo de vice-presidente de relações institucionais, reputação e sustentabilidade e que será ocupado a partir de janeiro por Graziela Parente, executiva que desde 2019 ocupava a posição de diretora de relações institucionais.

A promoção de Parente também faz parte das novas diretrizes da companhia, que quer ampliar de 22% para 30% a participação de mulheres nos seus quadros de liderança sênior. Os planos, contudo, não mencionam políticas de inclusão racial ou lgbtq+ em sua alta liderança.

“Diversidade não é só bom porque é certo. Diversidade enriquece com pontos de vistas, opiniões, experiências diferentes que contribuem para inovação. Também faz com que a nossa liderança reflita o espelho da sociedade e dos consumidores dos mercados em que atuamos”, destacou Alessandro Bonorino, vice-presidente de Pessoas e Transformação Digital da companhia.