Comissão de Agronegócios da OAB SP critica fala de Macron sobre soja brasileira

soja-colheita-grão-luís-eduardo-magalhães-bahia (Foto: Jonathan campos/Gazeta do Povo)

 

 

A Comissão de Agronegócios da OAB de São Paulo manifestou, nesta quinta-feira (14/1), apoio à sojicultura brasileira diante das declarações feitas pelo presidente da França. Emmanuel Macron associou a produção de soja do Brasil ao desmatamento na Amazônia.

No documento, assinado pelo presidente Marco Tulio Bastos Martani e pelo vice-presidente Bernardo Felipe Abrão, a comissão afirma que o produtor de soja brasileiro respeita a legislação nacional e que preza pelas boas relações com todos os países.

 

“É inadmissível que um chefe de nação faça ilações com a finalidade única de estimular a produção própria de seu país, prejudicando a imagem e a reputação de produtores que respeitam as leis do Brasil e que desempenham importante papel de abastecer o mundo com seus produtos agropecuários”, diz o colegiado.

A comissão diz, ainda, que a fala de Macron “é descabida de fundamentos e afronta a dignidade do produtor rural brasileiro”. Ressalta, também, que “as maiores áreas produtoras de soja brasileiras não estão na Amazônia e se localizam em fronteiras agrícolas ou áreas anteriormente improdutivas”.

 

O texto ainda destaca estudos e tecnologias da Embrapa e de outras entidades de pesquisa para o Brasil se tornar um dos líderes da produção agrícola. “Fruto do esforço coletivo, a sojicultura brasileira é competitiva e altamente produtiva, integrada às cadeias mundiais do agronegócio, merecendo ser respeitada”, finaliza.