Óleo de soja mantém alta enquanto grão acumulou baixa em outubro

Os preços do óleo de soja mantém a trajetória de alta verificada desde o ano passado, influenciados pela demanda internacional mais aquecida e pela queda de produção de produtos concorrentes, como o óleo de palma. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), os níveis atuais em termos reais (descantando a inflação) são os maiores em um ano.

Soja, principal insumo de produção de biodiesel no Brasil  (Foto: REUTERS/Jorge Adorno/File Photo)

 

“A demanda mundial por óleo de soja também segue crescente, atingindo volumes recordes. Na safra 2020/21, a produção global de óleo de palma (principal concorrente do óleo de soja) foi a menor desde a temporada 2017/18, segundo o USDA, levando consumidores a adquirirem maior volume de óleo de soja”, diz o Cepea.

Já a soja em grão encerrou outubro em baixa, de acordo com os indicadores da instituição. A referência com base no corredor de exportação de Paranaguá (PR) acumulou queda de 2,54% em outubro, com a saca de 60 quilos valendo R$ 171,13 na sexta-feira (29/10). A referência baseada no Paraná acumulou retração de 1,99%, com a saca valendo R$ 168,11 na sexta-feira (29/10).