Oro Agri espera faturar cerca de R$ 100 milhões no Brasil neste ano

empresas-oroagri (Foto: Raphael Salomão/Ed. Globo)

 

A Oro Agri aposta na ampliação do portfólio e espera um faturamento de cerca de R$ 100 milhões com a operação brasileira neste ano. Em 2018, os negócios no país contabilizaram R$ 70 milhões. É a unidade da empresa que mais cresce no mundo – 45% ao ano – e responde por 35% da receita total anual.

“O Brasil é um mercado estratégico. Está entre os maiores faturamentos e é o único onde atendemos agricultura e pecuária”, explica gerente de produtos, Jefferson Philippsen.

A empresa iniciou suas atividades em 2002, a partir de uma patente de uso de óleo da casca de laranja na agropecuária, ingrediente base de seus produtos. As atividades no Brasil começaram em 2008. A produção é baseada em uma fábrica localizada em Arapongas (PR).

Em outros países, a maior atuação está na fruticultura. Aqui, está mais na soja, milho, algodão e pastagens. A planta brasileira atende o mercado interno e fornece para outros países da América do Sul, como Chile, e mercados como os Estados Unidos.

No ano passado, a Oro Agri foi adquirida pela divisão agrícola do Grupo Omnia, também da África do Sul, por US$ 100 milhões. Na época, os executivos disseram que o investimento fazia parte da estratégia de ampliar negócios internacionais, tendo em vista uma demanda cada vez maior por produtos considerados ambientalmente corretos.

Fertilizantes Tocantins inaugura oitava fábrica de mistura no país
Bayer e Arvinas anunciam joint venture para criar produtos agrícolas

No início deste mês, durante o Simpósio América Latina de Plantas Daninhas de Difícil Controle (Simal), em Londrina (PR), a Oro Agri anunciou o lançamento de um surfactante a ser usado com herbicidas no combate a plantas daninhas consideradas de difícil controle. O produto, chamado de Detonator, levou quatro anos para ser desenvolvido, com a promessa de aumentar a eficiência na aplicação do defensivo.

“É uma ferramenta a mais para o produtor, para o manejo das plantas de difícil controle. Nosso foco é a inovação: soluções novas para problemas recorrentes”, diz o gerente de projetos especiais Evandro Back, ressaltando que a tecnologia foi desenvolvida no Brasil.

A ideia é possibilitar o transporte mais rápido do herbicida ao ponto de ação, aumentando a eficácia do controle. A consequência, segundo Back, é reduzir a possibilidade de rebrota, diminuindo a seleção que preserva as variedades de daninha mais resistentes.

A estratégia comercial inclui o Brasil e outros países. “Estamos com uma boa expectativa com esse lançamento e já enviamos amostras para Austrália, Estados Unidos, que são mercados que estão no radar também, já pensando nesse manejo de plantas de difícil controle”, diz Back.

Brasil é segundo mercado mais importante para a Corteva
Syngenta espera manter crescimento no Brasil

Também no início deste mês, a Oro Agri realizou o pré-lançamento de um defensivo para a citricultura. Batizado de Sapiens, foi produzido a partir da combinação de extratos naturais e deve começar a ser vendido no primeiro trimestre de 2020, de acordo com o gerente geral da Oro Agri Brasil, Luís Carlos Cavalcante.

Ainda de acordo com os executivos, a empresa planeja lançar neste ano um antideriva, adjuvante que visa evitar que o pesticida espalhe para fora da área de cultivo onde é aplicado. E deve ser trazido para o Brasil um produto com ação inseticida, fungicida e acaricida já comercializado nos Estados Unidos e na Europa. Inicialmente, será direcionado ao segmento de hortifruti, com planos de expansão para outras culturas.

*O repórter viajou a convite da Oro Agri

Curte o conteúdo de Globo Rural? Agora você pode ler o conteúdo das edições e matérias exclusivas no Globo Mais, o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!