Peste suína africana: FAO registra primeiro caso da doença na Indonésia

criação_suínos_porcos (Foto: Rogério Albuquerque / Editora Globo)

 

A Indonésia registrou o primeiro caso de peste suína africana (PSA), informou a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Segundo o comunicado da FAO, o Ministério da Agricultura do país confirmou foco da doença na província de Sumatra do Norte, na quinta-feira (12/12).

Desde o fim de setembro, no entanto, há relatos de aumento na mortalidade de suínos naquela região e em outras províncias próximas. A FAO destaca que está em contato com a Direção Geral de Serviços de Saúde Animal e Pecuária da Indonésia.

“O diretor de Saúde Animal solicitou à FAO que fornecesse recomendações sobre contenção e controle da PSA no caso de a doença ser confirmada como presente no país. A equipe da FAO está elaborando recomendações sobre o controle da ASF, apropriadas às condições da Indonésia”, informou a organização.

 

Vale lembrar que, neste segundo semestre, o país do Sudeste Asiático abriu o mercado para importação de carne bovina brasileira. Com isso, no fim de agosto, 10 frigoríficos foram habilitados. Após a habilitação, a companhia Minerva Foods foi uma das que já consolidou embarques para lá.

Em maio, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, se reuniu com o ministro da Agricultura da Indonésia, Amran Sulaiman, para discutir a abertura ao setor de proteína animal. Durante o encontro, a ministra destacou que o Brasil tem condições de suprir a demanda dos indonésios, principalmente de carne bovina, sendo um fornecedor alternativo e com preços mais baratos em relação à carne da Austrália, de onde vem a maior parte do produto consumido no país.

Na China, o surto de peste suína africana impulsionou as compras de carne bovina do Brasil no último trimestre do ano, como proteína alternativa ao suíno. Atualmente, os chineses já respondem por cerca de 24,5% do total exportado pelos brasileiros em carne bovina.