Produtor rural com passagem por entidades do agro, Carlos Fávaro é eleito senador em MT

Carlos Fávaro (PSD), senador de MT (Foto: Carol De Vita/Agência Senado)

 

Produtor rural e com histórico de dirigente em várias representações do agronegócio, Carlos Fávaro (PSD) foi confirmado como senador de Mato Grosso em eleição suplementar realizada neste domingo (15/11), junto com a votação para definir prefeito e vereadores.

Ele conquistou 371.857 votos (25,97% do total) e ficou em primeiro lugar entre os 11 candidatos ao Senado. Fávaro já ocupava uma cadeira de senador de forma interina desde abril e terá mais seis anos de mandato. Ele assumiu a vaga no Senado deixada por Selma Arruda (Podemos), cassada pela Justiça Eleitoral.

 

Carlos Henrique Baqueta Fávaro nasceu em Bela Vista do Paraíso (PR), em outubro de 1969. Ele é casado, empresário e produtor rural. Além da atuação como dirigente em entidades do agror, foi vice-governador de Mato Grosso entre 2015 e 2018.

Em nota divulgada por sua assessoria, o senador disse estar muito feliz e destacou que o resultado da eleição mostra que “a população de Mato Grosso avalia bem o nosso trabalho e quer a nossa permanência no Senado”.

 

Eleição suplementar

 A eleição suplementar para senador de Mato Grosso ocorreu devido à cassação, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do mandato da ex-senadora Selma Arruda (Podemos) e de seus dois suplentes, por caixa dois e abuso do poder econômico na campanha de 2018.

O tribunal também determinou a realização de novas eleições — o que estava previsto inicialmente para abril. No entanto, a votação foi adiada por conta da pandemia do coronavírus e ocorreu só agora, de forma conjunta com as eleições municipais.

 

Senadora mais votada, Selma exerceu o mandato até abril deste ano. O senador Carlos Fávaro, terceiro mais votado nas últimas eleições, assumiu o mandato de forma interina, depois de decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Esta foi a primeira eleição suplementar para o Senado no Brasil em 50 anos. A última ocasião foi em 1970, quando dois Estados precisaram substituir parlamentares cassados pela ditadura militar.