Dia do Cooperativismo: agro reúne quase 1 milhão de produtores cooperados no Brasil

Neste sábado, 3 de julho, comemora-se o Dia Internacional do Cooperativismo. Em 2021, a Aliança Cooperativa Internacional (ACI) escolheu o slogan “Juntos reconstruímos melhor”, com o intuito de expor como as cooperativas ao redor do mundo seguem lidando com a crise econômica e sanitária trazida pela pandemia, há mais de um ano.

No sistema cooperativo, o agro tem uma importante participação. Conforme a ACI, mais de 10% das 300 maiores cooperativas do mundo, hoje, são do setor. No Brasil, o agro reúne 1.223 cooperativas, com mais de 992 mil cooperados e 207 mil empregos, segundo os dados mais recentes do Sistema OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras).

O setor agropecuário reúne cooperativas com modelos de negócios presentes em diversas cadeias produtivas, como grãos, fibras, carnes e lácteos. São responsáveis por diversas operações. Entre elas, fornecimento e comercialização dos produtos de seus associados, com a intenção de gerar economia de escala, promover agregação de valor à produção e estimular uma concorrência mais justa no mercado.

agricultura-trigo-colheita-franca (Foto: Pascal Rossignol/Reuters)

 

 

Segundo os dados mais atualizados da OCB, de 2019,  o ramo agropecuário atingiu R$ 132 bilhões em ativos no Brasil. Já a aplicação dos recursos pelas cooperativas agropecuárias somou R$ 23,76 bilhões, dos quais R$ 10,19 bilhões em industrialização, R$8,74 bilhões em fornecimento de insumos e R$ 4,61 bilhões para adiantamento a cooperados.

Ainda em 2019, as cooperativas agropecuárias também recolheram junto aos cofres públicos R$ 6,5 bilhões em tributos – R$ 5,3 bilhões foram destinados à salários e benefícios a funcionários. (veja quadro abaixo).

 

As cooperativas do agro são divididas em sete segmentos: bens de fornecimento e insumos, escolas técnicas de produção rural, produtos industrializados de origem animal, produtos industrializados de origem vegetal, produtos não industrializados de origem animal, produtos não industrializados de origem vegetal e serviços. Diante de sua grande diversidade, uma mesma cooperativa pode atuar em mais de um segmento.

 

Segundo a OCB, dos 207,2 mil empregos diretos gerados pelas cooperativas agropecuárias, 78,3% estão localizados nos três Estados do Sul, o que reforça a regionalização dessa alta demanda por mão de obra por parte desse tipo de empreendimento.

Investimentos das cooperativas do agro

 

Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2020, divulgado pelo Sistema OCB (Foto: Sistema OCB)

 

 

 

 

 

A veia industrial tem sido cada vez mais determinante para o sucesso das cooperativas do agronegócio. De acordo com especialistas do setor, a industrialização é uma tendência que deve ganhar cada vez mais espaço no sistema cooperativo, por diversificar as fontes de renda e gerar bons resultados.

Segundo o Sistema Ocepar, que reúne as cooperativas do Paraná, só no Estado, onde existem mais de 120 agroindústrias atualmente, foram investidos R$ 22 bilhões nos últimos 10 anos. A agroindustrialização já responde por 48% do faturamento das cooperativas agropecuárias.

Márcio Lopes de Freitas, presidente da OCB, afirma que o movimento das cooperativas cresce a cada dia. “É um modelo de negócio que precisa e deve ser cada vez mais incentivado. É feito por e para pessoas e, portanto, é um ingrediente essencial para a construção de uma sociedade mais justa por meio da colaboração, equilíbrio, transformação e inclusão.”

Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2020, divulgado pelo Sistema OCB (Foto: Sistema OCB)

 

 

Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2020, divulgado pelo Sistema OCB (Foto: Sistema OCB)

 

De acordo com Evair de Melo (PP-ES), deputado federal e presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) na Câmara dos Deputados, o cooperativismo representa um caminho seguro pelo qual nosso país pode alcançar uma parcela significativa de sua recuperação e reorganização econômica no período pós-pandemia.

“No ramo agro, as estimativas preliminares apontam que os resultados consolidados em 2020 estão acima dos R$ 245 bilhões e as perspectivas são de crescimento também para 2021. Isso significa que o setor não parou durante a pandemia e que os cooperados continuam trabalhando para levar produtos de qualidade à mesa dos brasileiros”.

Leia mais notícias sobre Economia