Produtor francês teme efeitos de lei da Rússia sobre champanhe

O fabricante de champanha francês Michel Drappier ama os clientes russos: ele vende para eles milhares de garrafas todos os anos, as companhias aéreas nacionais servem sua marca na classe executiva e ela estava no menu quando Vladimir Putin visitou a França.

franca-champagne-michel-drappier (Foto: Clotaire Achi/Reuters)

 

Mas Drappier teme que uma nova lei da Rússia para os rótulos de champanhe importado mine o princípio que ele considera sagrado: que apenas champanhe produzido na região de Champagne, na França, merece levar esse nome.

“A palavra ‘champanhe’ é mágica”, disse Drappier, 62, na vinícola que ele e sua família possuem há sete gerações. “Temos que lutar para que nosso nome seja reconhecido, e não diluído”, afirmou, ao lado de adegas empoeiradas de vinho que datam do século 12.

A Rússia adotou leis que exigem que produtores franceses usem um rótulo no lado de trás das garrafas vendidas na Rússia com a descrição “vinho espumante”.

 

Em contraste, os fabricantes domésticos do que é conhecido na Rússia como “shampanskoye” não terão que usar esse tipo de rótulo. As ações do principal fabricante russo subiram depois que a lei entrou em vigor.

Em mais de 120 países, o nome “Champagne” tem o seu status protegido, reservado apenas para o vinho espumante da região de Champagne, da França.

“É o mundo de cabeça para baixo”, disse Drappier, que assumiu o negócio do seu pai de 95 anos, e trabalha ao lado de seus três filhos.

“Os russos estão colocando ‘Champagne’ em seus rótulos e nós não podemos.”